agosto 15, 2010

Pensamento nº12

Eu não deveria estar aqui. Mas, enfim...
Hoje eu vi pela quarta vez, não sei, Razão e Sensibilidade. É um filme baseado na obra de Jane Austen, que leva o mesmo nome.
É um daqueles filmes que eu não me canso de ver e acho emocionante toda vez.
Meu pai tentou ver, mas como sempre ele tentou analisar o filme sobre o ponto de vista dele (super crítico) e eu tive que dizer que em todos os livros da Austen, inclusive a sua história de vida, é uma crítica ferrenha a sociedade britânica do séc. 18.
Por Razão e Sensibilidade, Persuasão e Orgulho e Preconceito, eu pude perceber que a história ronda o universo feminino.
Eram sempre um grupo de mulheres jovens de situação social ou economica não muito boa, que se apaixonavam por rapazes, ou melhor cavalheiros, e a família desses cavalheiros eram sempre meio contra. Apenas porque elas não tinham dote.
Porém o amor salva tudo. Ou quase tudo.
Como era um filme britânico de 1995, meu pai certamente não conhecia nenhum ator. Só o Hugh Laurie - despois de muito olhar.
E eu percebi que conhecia praticamente todo mundo do elenco principal. E não era porque eu já vi o filme muitas vezes.
Estava lá Emma Thompson, Kate Winslet (antes de Titanic *-*), Hugh Grant, o carinha que faz o Severo Spane (loiro e amável), a mãe das personagens me parece alguém conhecida...

Conclusão disso tudo: Acho que eu passo tempo demais vendo filme e navegando a toa pela internet.

Oh sim, meu sobrinho-sem-laços-de-sangue está aqui. Muito fofo.
vive caindo, fazendo pirraça, dizendo não (ou algum derivado), batendo o pé e eu até imito ás vezes para ele parar.

Eu sonhei com meu primo. Ele dizia que ele queria mesmo era aproveitar. Viajar até a última casa do estado da Bahia. Ele queria viver - que ironico.
Ele queria viver e morreu.
Eu acordei pensando: será que foi um sinal, um aviso? Para superar e deixar ele ir embora?
Esse pensamento durou por algum minuto como absoluto em mim. Eu realemente quero acreditar que exista outro caminho. Mas como eu tenho tendencia de racionalizar (leo _l_ hahaha) comecei a pensar na razão do meu sonho.
Primeiro, ele ia viajar. Depois meu pai disse que ele não economizava, ele gostava de viver, porque nunca se sabe o amanhã (e olha o que o amanhã trouxe pra ele). E depois o Douglas disse que temos de parar de ficar pensando nele. Ele nunca irá embora assim.
Aí eu sonhei. Porque o cérebro é uma coisa maravilhosa, não diga que não é.
Eu realmente não queria racionalizar dessa vez. But, it's who i'm.

Ainda bem que não existem mais dotes, senão eu estava ferrada.
Ia ter que casar com o padeiro...

4 comentários:

Victor Cezar disse...

"e eu até imito ás vezes para ele parar".

Imaginei a cena!

carol disse...

vc esqueceu da sra. weasley e eu n vi o hugh grant no filme :s

meu filho é lindo msm hauehaea

Nathália Carvalho disse...

Cara, não acho q seja ruim o q o amanhã fez com ele. Não pense assim. Não o conheci mas com certeza se ele viveu cada dia como se fosse último, então com certeza ele foi feliz. E deixa ele ir sim. É melhor.Bjs*

Rosalva disse...

casando com o padeiro vc seria o quê?
Sonho, pao de ló, broa...nhamme